Translate

Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de abril de 2014

PROBLEMAS CARDÍACOS



Desanimo e desmotivação

Para que uma pessoa viva bem e tenha uma boa saúde cardíaca é necessário que ela mova seus recursos internos para ser bem-sucedida no meio externo. Dê o melhor de si, procurando moldar a realidade de acordo com seus reais sentimentos.

Essa manifestação ordenada preserva o sentido da vida, mantendo a pessoa motivada para realizar suas atividades de forma natural e espontânea. Conseqüentemente, a saúde é preservada.

Já aqueles que mergulham de cabeça nas obrigações tornam-se displicentes para com as atividades que sempre apreciaram; deixam de curtir os amigos e os entes queridos, podendo contrair problemas cardíacos.

Ao traçar seus objetivos, as pessoas aspiram pela conquista de uma vida melhor e com mais privilégios. No entanto, levam a termo aquilo que programaram para si, tornando-se escravos dos planos de conquista. 

Projetam para o futuro a expectativa de uma vida melhor, deixando de viver o presente. Com isso, elas perdem a qualidade de vida, submetendo-se a um frenesi histérico que massacra o seu humor.

A dedicação maciça ao cumprimento das obrigações leva a pessoa a alterar seus valores básicos. Desse modo, aquilo que foi escolhido para o seu bem-estar torna-se a razão da sua infelicidade. Pois, quando não consegue alcançar o que almeja, sente-se fracassada e derrotada.

A compulsão ao trabalho e o desejo de conquista impedem que e as pessoas olhem para dentro de si e reconheçam seus potenciais, preservando suas necessidades pessoais e afetivas.

Um outro fator que também se torna altamente desgastante é a conduta de muitas pessoas frente a convivência afetiva ou social. Sua dedicação exclusiva aos outros ou às regras sociais fazem com que se anulem perante aqueles que convivem ao seu lado.

Qualquer episódio desagradável que acontece ao redor é motivo de grande preocupação. Todas as suas atenções são dirigidas ao externo, num completo abandono de si mesmos.

Por levarem uma vida totalmente contrária às vontades próprias, em função dos outros ou do trabalho, seu prazer pessoal é sufocado. Os valores adotados tomam-se seu principal objetivo de vida.

Uma pessoa que vive em função do meio ou dos outros, ao ver planos interrompidos, abala-se profundamente, sentindo-se angustiada e melancólica. Essa condição interna, metafisicamente, é propícia a desencadear os problemas cardíacos.

Para reverter o quadro físico desses problemas é preciso fazer uma reformulação interior; resgatar os valores internos e mudar a conduta; passar a viver com mais qualidade, e não atolado nas obrigações que consomem seu vigor; dar o melhor de si, sem deixar que as atribulações se sobreponham ao seu bom humor, viver a vida, mas não em função dos elementos da matéria; curtir tudo o que você tem e se dedicar ao que almeja conquistar, sem anular-se nem tampouco sufocar sua essência.

As coisas da matéria servem para facilitar a vida, não podem se tornar à razão da nossa existência.
As pessoas que compartilham da nossa vida têm grande valor afetivo, mas não podemos nos comportar diante delas de forma a ofuscar a percepção de nós mesmos.

Precisamos resgatar aquilo que nos é próprio e verdadeiro. Não devemos permitir que as situações externas sufoquem o que é essencial em nós. Somos a fonte da vida e a razão do bem viver


TAQUICARDIA
Entusiasmo reprimido.

Taquicardia é o aumento dos batimentos cardíacos acima do ritmo normal.
Uma das principais causas metafísicas é a súbita contenção dos impulsos. A pessoa nega a manifestação de suas vontades, recalcando os desejos no momento da expressão.

Não se permite realizar algo com o que está empolgada em virtude de crenças, tais como: não posso! Não devo! Não mereço! É perigoso demais... e, assim por diante. Essa condição oprime a manifestação dos seus próprios conteúdos, que ficam sufocados na região cardíaca, provocando o sintoma físico de aceleração do ritmo cardíaco.

Algumas situações corriqueiras demonstram o padrão metafísico do sintoma de taquicardia. Por exemplo: alguém tem muito o que dizer numa situação, ou para alguém, e quando está diante da pessoa ou é convocado para falar, se reprime; ou ainda, está inspirado e não dá vazão à intuição.
O que pode levar uma pessoa a recalcar aquilo que sente? A vergonha, a timidez ou não querer magoar os outros.

Agindo assim, a pessoa sufoca sua expressão natural. Na tentativa de preservar o bem-estar dos outros causa profundo desconforto a si mesma.
É muito comum pensar mais nos outros do que em si mesmo. Dar mais importância ao que as pessoas vão pensar a seu respeito do que à vontade de manifestar um sentimento.

Vale lembrar que não vivemos com os pensamentos dos outros, nem tampouco somos movidos pela boa impressão causada trás pessoas ao redor; mas sim, por aquilo que sentimos e pensamos acerca de nós mesmos e da vida. Por isso, não devemos massacrar nossos impulsos para não desagradar os outros.

A originalidade tem grande valor nas relações interpessoais. À medida que preservamos nossa integridade e damos vazão no que sentimos, nos aproximamos de nós mesmos. O respeito próprio não provoca o distanciamento dos outros; ao contrario, promove uma verdadeira aproximação com todos.

Por isso, seja cada vez mais quem você é. Não cultive o acanhamento, seja descontraído. Na espontaneidade repousa o verdadeiro valor do ser humano.


ANGINA
Firmeza aparente, que esconde as amarguras e os sofrimentos.

Qualquer doença caracterizada por ataques de sufocação é considerada como angina. Quando esse sintoma for manifesto na região do peito, é chamado de angina pectoris. Nesse caso, os sintomas geralmente são de origem psicossomática, caracterizados por sensação de opressão e intensa constrição no tórax.

Também é apontada como causa orgânica a falta de oxigenação das células do coração, devido à obstrução das artérias coronárias. E desencadeada por esforço físico e estresse emocional. A angina representa uma situação de alerta, pois pode evoluir para lesões cardíacas mais graves, como o infarto.

Os aspectos metafísicos relacionados aos ataques de dores no peito referem-se à rudeza da pessoa ao lidar com situações afetivas. Trata-se de alguém com uma história de vida repleta de grandes sofrimentos.

Em virtude das diversas experiências ruins que vivenciou ao longo de sua trajetória, desenvolveu uma certa frieza e indiferença para tratar de assuntos pertinentes à afetividade. Adotou uma postura firme e aparentemente inabalável para esconder suas fraquezas e, principalmente, não sofrer mais decepções.

As amarguras do passado refletem nas relações presentes, tornando-o alguém de difícil convivência. Tem medo de se envolver e sofrer novas decepções. Reluta em expressar o que sente ou assumir suas fraquezas e dificuldades. Esse comportamento só prolonga o sofrimento.

Existem também aquelas pessoas que aprenderam que não devem mostrar suas fraquezas; que é necessário ser forte e agüentar tudo com firmeza. A educação que receberam faz com que não se permitam fraquejar. Para esses, abalar-se com as situações difíceis é falta de caráter.
Antigamente os homens eram criados dessa maneira, de forma a não demonstrar seus sentimentos. Chorar, nem pensar. Isso levou muitos a adotar uma postura fria e calculista frente às decepções afetivas ou à perda de um ente querido. Eles reprimem no peito suas dores emocionais, chegando ao ponto de somatizar a angina pectoris.

Vale lembrar que não é negando, nem se protegendo, que resolvemos nossas dificuldades. Abrir-se para a vida e renovar-se a cada instante aprimora a relação com a vida e as pessoas.

Ser forte não é negar as próprias fraquezas, adotando um comportamento seguro. Forte é aquela pessoa que tem suas limitações e, mesmo assim, não abandona as situações, entregando-se à covardia; ao contrário, encara os desafios com sinceridade presteza.



INFARTO
Desmoronar dos falsos valores.
Perder a motivação e o entusiasmo pela vida.


É uma área de necrose (morte celular) em um tecido ou o resultante da oclusão arterial que interrompe o suprimento sangüíneo, causada por trombos ou êmbolos, etc.

O infarto pode ocorrer em vários órgãos, inclusive no coração (infarto do miocárdio). Em sua forma mais típica, ocorre repentinamente. Os sintomas mais comuns são dor intensa no peito, que se irradia para o pescoço e braços; sudorese e alteração nos batimentos cardíacos.

No âmbito metafísico essa condição representa um grande abalo interior, provocado pelo desmoronar dos falsos valores.

O infarto do miocárdio é resultante de um estilo de vida adotado ao longo da nossa trajetória. Geralmente estruturamos nossa vida baseada no desejo de conquista, nas obrigações assumidas e, principalmente, nas pessoas do convívio.

Buscamos encontrar o sentido da vida na materialidade ou nos outros. Perdemos o contato sensorial com nossa essência interior. Passamos a viver em função das conquistas. Motivamo-nos para galgar uma posição social e melhoria financeira.

Entusiasmamo-nos pelos outros. Todos os nossos esforços visam agradar quem nos é caro, para ter harmonia nas relações afetivas. Tudo o que fazemos objetiva exclusivamente o bem estar dos entes queridos. Damos mais importância a eles do que a nos mesmos. Negamos nossas reais necessidades. Deixamos de praticar as atividades que sempre nos foram prazerosas; anulamos nossas vontades próprias. Ofuscamos nosso mundo interno, motivamo-nos apenas pelas situações externas.

Quando, por algum motivo, vemos essas bases de sustentação de nossa motivação em ruínas, o choque é tão grande que comprometemos a vontade de viver. A interrupção dos caminhos traçados representa não ter mais motivo para agir, nem vontade de existir. Isso pode ocorrer pela desestruturação do lar, decepção com um ente querido; ou ainda, pelo fim da carreira profissional, e assim por diante. Esse abalo interior pode causar em algumas pessoas o infarto do miocárdio.

Já as pessoas que edificam suas vidas em si mesmas, fazendo de sua essência o seu ponto de referência, quando estão frente às dificuldades e obstáculos não chegam a se abalar ao ponto de perder a motivação pela vida. Essa atitude proporciona uma vida saudável e garante forças para superar o desmoronar daquilo que faz parte de sua vida. Isso porque tudo o que se vivência é parte da vida, mas não representa a vida como um todo.

Viver é muito mais do que conquistar bens materiais, ter uma boa posição social ou proporcionar o que há de melhor para os entes queridos. Tudo isso é importante, mas não pode se tomar uma condição vital. Merecemos o que há de melhor na vida. A felicidade afetiva está ao alcance de todos aqueles que não se anulam perante os entes queridos; que interagem, sem sufocar sua integridade.

Somos a fonte da nossa vida. Não adianta buscar sentido nas coisas externas; é preciso cultivar a essência interior para que possamos nos integrar com o mundo exterior com maior intensidade e grande qualidade.

Isso não significa que devamos ser rigorosos e fazer somente o que gostamos. Devemos, sim, encontrar uma maneira gostosa de realizar tudo aquilo que faz parte da vida e também cumprir com as responsabilidades assumidas. E preciso dar o melhor de si para usufruir o que há de melhor da vida. Ser pleno no amor, mas não perder o amor próprio.

Caso seu entusiasmo pela vida e sua motivação pessoal se encontrem reduzidos ou abalados, ou se você já foi acometido por algum infarto, olhe para si. Observe seus hábitos, veja o jeito como tem atuado nas situações familiares e profissionais. Reavalie seus valores de vida. Busque sua verdadeira característica, que foi perdida ao longo de sua existência. Resgate sua originalidade, voltando a ser quem você é; viva com mais qualidade e intensidade.

Para isso, não é necessário abandonar nada do que você conquistou, nem tampouco deixar de fazer o que você faz; simplesmente faça do seu jeito. Seja mais original e verdadeiro para consigo mesmo. Assim a vida continuará vertendo em seu coração e se manifestando em seu corpo a cada instante, em forma de prazer, motivação, entusiasmo e alegria de viver.

Metafísica da Saúde 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário