Translate

Pesquisar este blog

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Papéis invertidos: Mulheres com energia masculina e homens com energia feminina




É estranho, mas é bem isso que está acontecendo! Na medida em que as mulheres conquistaram seu espaço na sociedade e incorporaram em suas vidas cada vez mais e mais atribuições, foram pegando para si o papel do masculino e estão se tornando O GUERREIRO na relação com a vida. Vão à luta, conquistam o mundo e sobrevivem a tudo. Parece até que estão numa guerra. E, de fato estão. Sobrevivem às emoções, aos fracassos, às crises, à depressão, ao vazio, à falta de apoio e sentido na vida, à solidão. O preço é bem alto: a conta dos remédios cresce, as visitas aos consultórios terapêuticos e psiquiátricos, as doenças, as dores do corpo que não tinham antes…
E o que é pior: o tempo perdido que não volta mais! Ah, aquele doce tempo de sonhar, fazer planos, querer um parceiro, um marido, alguém para dividir a vida. Sabe que muitas mulheres deixaram até de sonhar com isso? Parece algo tão distante, tão irreal diante de relacionamentos cada vez mais superficiais e vazios, que elas agora querem admitir que talvez não seja mais viável mesmo.
E nesse ciclo de criar e recriar suas feridas emocionais, vão decretando para si mesmas os velhos postulados de findar sozinha, envelhecer e repetir o que sempre fizeram. Excursões e viagens sozinhas já é algo normal. Ir a festas e eventos e sair sozinhas, também. Afinal, precisam de um homem para que mesmo? Mas como esse padrão de comportamento foi construído ao longo de várias vidas? Como interromper esse ciclo vicioso e tornar a vida um novo ciclo virtuoso? Será possível? Abrindo-se para liberar o conteúdo armazenado no inconsciente é um bom começo.
Por outro lado, os homens perderam seu espaço na relação com o mundo e estão igualmente perdidos e sem poder. O poder real, yang, forte, equilibrado, vibrante. Não essa coisa banal e desequilibrada de conquistar muitas mulheres a cada dia, de lutas e competições vazias e fazendo parte de um jogo sem sentido, de disputas tolas que não levam a nada. Perdeu-se a capacidade da conquista real, de um relacionamento intenso, de ser vitorioso de verdade por conquistar a mesma mulher a cada dia, mesmo diante dos altos e baixos e percalços da vida a dois. De conquistar seu lugar no mundo profissional por seus atributos, de ter contato com a linhagem ancestral e a se colocar nessa hierarquia de tal forma que consiga passar para os filhos os valores e a herança de valores humanos há muito perdidos ao longo das guerras e domínios históricos.
E quando um toma o papel do outro o que acontece na relação? Cada um se acomoda naquilo que é mais fácil, naquilo que o outro permite e impõe. Os homens se acomodam, as mulheres assumem mais e mais tarefas, se sobrecarregam e depois reclamam da omissão e falta de apoio.
Como é difícil para algumas descansarem no seu feminino, pedirem ajuda, entrarem em contato com a fragilidade e delicadeza. Parece até que tudo isso é sinônimo de fraqueza e submissão. Mas está distorcido, pois o feminino suave e doce tem uma beleza e poder sem igual. É muito poderoso quando uma mulher se apropria disso, de conquistar as coisas na vida a partir dessa energia feminina equilibrada, que a coloca em contato com a força intuitiva, da criatividade, abundância, fluidez e magia.
Mas muitas mulheres endureceram e perderam essa capacidade. Secaram o útero, mas antes, tiveram que secar as lágrimas. Muitas até nem choram mais. Triste, pois lágrima que corre tem um significado profundo de liberação e de deixar ir aquilo que não se quer mais.
Houve mudança também no corpo. Perderam as formas e, encouraçadas, colocaram na cintura e barriga uma super camada de proteção de gordura. Outras estão no outro extremo e modelaram corpos masculinos para si, de tão identificadas que estão com a energia masculina. É luta mesmo e puxam ferro pra valer!
No passado, os homens forjavam as espadas malhando o ferro; hoje muitas mulheres malham o ferro e se tornam verdadeiras armas de combate com os homens para ver quem pode mais.
Por outro lado, os homens também fazem isso, buscam um corpo forte, que mais parece uma armadura, mas que esconde uma fragilidade que não tem tamanho. Outros estão de fato, bem identificados com o feminino e estão encerrados em corpos franzinos, muito delicados, buscando outros homens para se relacionar. Buscam na verdade o seu masculino perdido.
É meio louco tudo isso, bem neurótico. As pessoas dizem que querem uma coisa, um relacionamento vivo, real, intenso, mas estão criando exatamente o contrário disso. Desencontros e mais desencontros, sob o pretexto de ter perdido o “time”. E perderam mesmo, e perderão outros e outros tempos se não despertarem para o AGORA, para a necessidade de mudar o padrão, de fazerem escolhas mais conscientes e começarem a pensar, falar e agir diferente.
UM CONVITE ÀS MULHERES: descansem no seu feminino, usem a magia da sedução para outro nível de conquista, coloquem seu poder pessoal à disposição de algo maior na sua vida, pois estão aqui para isso, para ajudar a recriar esse belo planeta e nos colocar em contato com outras vibrações mais elevadas.
UM CONVITE AOS HOMENS: peguem seu bastão de poder de volta, reassumam seu espaço na vida e se abram para novas possibilidades de manifestação desse poder. Sua força está aí, naquilo que tem a ver com a energia masculina equilibrada de servir, de prover, de agir. Como é belo ver um homem agindo com segurança e força – o verdadeiro Guerreiro!
UM CONVITE AOS DOIS: se abram para o amor, para o convívio, para a intimidade, para a partilha. Conseguirão isso retirando as máscaras da auto-suficiência, se permitindo sentir, falar, dialogar, contar um ao outro seu ponto fraco, aquilo que dói, onde está sua ferida. O cuidado vem depois disso, de um saber e querer cuidar de si e do outro. Ser verdadeiro consigo é porta para ser verdadeiro com o outro. Amar-se e respeitar-se profundamente são condições para amar e respeitar o outro.
E assim, a verdadeira alquimia acontece. O relacionamento em níveis mais e mais profundos, cada um no seu espaço de poder, com sua força. Dois inteiros convivendo lado-a-lado, sem co-dependência, sem bengalas, sem ataques, sem fuga nem medo. Pura entrega, fluidez, encontro, intensidade.
Estão preparados para isso? Podem começar a criar essa realidade neste exato momento. Quem quer mudar, começa AGORA. Não existe isso de um dia quem sabe, ou aquela infindável listinha de quando isso acontecer, depois que eu me formar, trabalhar em tal lugar, conquistar isso e depois aquilo. Essa lista não acaba nunca. É apenas pretexto para quem não quer a mudança. Mude hoje, agora, enquanto lê e sente o seu coração vibrar.

Valéria Bastos

69 comentários:

  1. Isso é um fato verdadeiro mesmo.....mudaram os valores e só resta estas alternativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo começou com a castração do Urano. E essa castração(vampirização) estende-se até aos dias de hoje.
      Mas existe solução para reverter essa situação.
      http://www.mitologia.templodeapolo.net/mitos_ver.asp?Cod_mito=110&value=A%20Castra%C3%A7%C3%A3o%20de%20Urano&mit=Mitologia%20Grega&prot=Urano&lnd=

      Excluir
    2. Não é de fato, mas sim de facto. Fato é paletó.

      Excluir
  2. A fórmula é simples. As pessoas que complicam o resultado.

    ResponderExcluir
  3. A fórmula é simples. As pessoas que complicam o resultado.

    ResponderExcluir
  4. Muito Próprio, a mais pura verdade! Vamos retomar nossos lugares antes que a sociedade perca toda sua IDENTIDADE!

    ResponderExcluir
  5. Incrível! Graças a Deus enxerguei isso recentemente....quantos relacionamentos neuroticos e vazios por aí e ninguem se questiona, vai a fundo nessas questões tão essenciais.

    ResponderExcluir
  6. Comigo não é diferente, eu sou mais o homem da casa do que meu marido, resultado disso tudo um casamento de fachada, de aparências, meu marido e eu já conversamos sobre o assunto onde na verdade apenas eu coloquei minha decepção sobre o relacionamento, onde eu falei claramente que eu nõo queria mais esses papéis invertidos, mas ele preferiu assim e assim ficou. O texto relata exatamente o que um dia eu já senti, já não choro mais, perdi meu feminino infelizmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é simples em teoria e complicada na prática. Vc precisava de um homem mais fálico que vc e seu marido ´é mais tranquilão...Não é diferente em casa, minha mãe tem mais iniciativa que meu pai..O problema é sempre esse: IDEALIZAÇÃO com base no gênero!!!!Isso é o que mais frustra as pessoas, os casais...Ou seja tá na hora das pessoas acordarem e enxergarem as coisas como elas são e não ficarem achando que a outra pessoa tem que ser de determinado jeito, vc fica infeliz e o outro também...e isso não é nada legal para a saúde...

      Excluir
    2. HOMENS ESTÃO LITERALMENTE EM EXTINÇÃO?
      http://hypescience.com/homens-estao-literalmente-em-extincao/

      Excluir
    3. homens e mulheres se conheçam antes que se acabem e naõ se achem mais
      mas existe ajuda ,amedicina chinesa nos ajuda a responder qual desiquilibrio organico causa esta inversaõ de sexualidade


      Excluir
  7. Achei um texto extremamente machista. A mulher não deve nada a homem nenhum e homem nenhum pertence o "lado da força", isso é uma imposição cultural muito ultrapassada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Machista, totalmente baseado em conceitos androcentrados e ignora a diversidade inerente ao ser humano. Gênero (da forma como o senso comum concebe) é uma construção cultural.

      Excluir
    2. O texto essencializa atributos de gênero que são socialmente construídos e ignora por completo o processo histórico, deixando de levar em consideração o que era o feminino antes do advento do patriarcado. Ao longo da história, fomos despojadas de nossa Força, colocadas à sombra do masculino e aprisionadas nessa falsa imagem de um feminino voltado para a fragilidade, doçura e beleza, imagem essa bastante eficaz para nos deixar de mãos atadas e nos afastar do nosso Poder. Para além disso, está repleto de body shaming (se a pessoa é gorda, magra ou musculosa, independente de gênero, e está feliz dessa forma, não temos nada a ver com isso), victim blaming (essencializando em vez de problematizar os problemas que as mulheres enfrentam, como a questão de dupla jornada) e misoginia disfarçada de busca pelo Feminino Essencial (que é muito maior e mais poderoso do que essa falsa essencialização da fragilidade). Além disso, essencializa atributos de personalidade que só são construídos e generificados no processo social, limitando e desconsiderando as inúmeras nuances da personalidade humana. Lamentável prova de que mesmo os segmentos mais "espiritualizados", que deveriam ser os maiores em compreensão das inúmeras nuances do Ser, ainda têm muita ignorância a desconstruir.

      Excluir
    3. Texto babaca!! Acha que mulher só serve pra ficar na cozinha e parindo. Me poupe!! Já acham pouco as mulheres sofrendo violência doméstica, ainda ficam incentivando-as a abandonarem os empregos conquistados cm muito suor pra ficar presa em casa servindo a marido, onde na MAIORIA das vezes, estes não valorizam as mulheres que fazem tudo pra eles.

      Excluir
    4. Na minha opinião as coisas estão como estão hoje, esse mundo sem lei,onde todo mundo faz o que quer ou sente vontade, exatamente porque em algum lugar lá atrás esse fio foi cortado, foi rompido.
      Uma casa sem regras é uma bagunça, uma desordem, um lugar horroroso de se viver.
      Todo lugar precisa de regras. Mas o ser humano não quer ter que cumprir regras. Quer viver a seu bel prazer.
      A medida que o tempo passou, as profundas mudanças na sociedade foram sendo sentidas por todos, foram extremamente evidenciadas. Mudanças boas, outras não e eu diria até que (quem quiser me ignorar que me ignore) a maioria no quesito personalidade piores. Sim! Piores pois tornaram as pessoas frias consigo mesmo e com as outras.
      O amor parece que já não é o mesmo...
      As pessoas se perderam no tempo e no espaço...

      Excluir
    5. Concordo, machista e babaca! Eca!

      Excluir
    6. Vocês estão tão perdidas nesses termos que também foram impostos a vocês por pessoas que nem de longe buscam igualdade. Todos nós sabemos que no fundo somos seres humano,independente de gênero e que precisamos um do outro, homens dependem de mulheres e mulheres de homem, caso não fosse assim seríamos só um gênero ou vocês acham que existem dois somente pra reproduzir? Deixem de viver nessa guerra contra patriarcado e toda essa baboseira e se imponham pelos seus valores, mostrem com atitudes, e não com ódio e raiva, que ser sensível, e aparentemente frágil são coisas positivas, não tentem ser homens, nós amamos vcs, seja como filhos, como pais ou como maridos justamente por vocês serem seres dotados de muito mais amor, de muito mais sensibilidade, querer ser diferente só que se é na essência é covardia não é coragem. Trabalhem, ocupem cargos de poder, façam tudo o que quiserem pois tem o mesmo direito, mas não se tornem aquilo que vocês mesmas combatem, seres humanos que não respeitam as diferenças, não pode ser tão difícil assim perceber isso.

      Excluir
    7. Concordo, em parte, com você!
      Sou mulher, cresci numa família onde os homens sempre foram os provedores; mas sempre nos ensinaram (juntamente com as mulheres) desde pequenas, que devemos, sim, conquistar nosso espaço, trabalhar, correr atrás de nossos direitos, batalhar para conquistar a vida que desejamos... Sempre protegeram a nós, mulheres, e cuidaram da família, no papel de chefes; mas sem nenhum tipo de opressão ou proibição! As mulheres de minha família trabalham fora, criam seus filhos, cuidam da família e nunca brigaram, medindo forças com os homens. Nós estudamos, trabalhamos, fomos à luta (não contra os homens, mas pela conquista do pão de cada dia e de nossa realização profissional).
      Concordo quando você diz para trabalharmos, conquistarmos nossos direitos sem precisarmos entrar em guerra; pois para nós, nunca foi preciso guerrear, confrontar, medir forças... Agradeço por ter sido assim; porque sei que não são todas as famílias que se comportam desta maneira!
      Atribuo tudo isso ao grande respeito que há na família, onde todos entendem que precisam uns dos outros, independente de gênero... todos podemos ter os mesmos direito porque, afinal, somos todos seres humanos e é isso o que importa; não a imposição sociocultural que determina como devemos ser, pensar e nos comportar!
      E, quando digo que é uma questão de respeito, justifico pelo simples fatos de que as pessoas extremistas (sejam machistas ou feministas), que se prendem cegamente à certas ideologias, sem refletir sobre o que realmente é importante "combater" ou "conquistar", acabam por perder o respeito pelo outro.... perde-se o respeito pelos direitos, individualidade e liberdade de cada um.

      Excluir
  8. Muito machista e retrógrado. Com esse raciocínio, vc diria que os casais vão contra a natureza?

    ResponderExcluir
  9. Porcaria machista e com vários erros de concordância verbais, nominais, e de gêneros.

    ResponderExcluir
  10. Perfeito!! Nada machista, totalmente realista!

    ResponderExcluir
  11. No passado o filho homem trabalhava e a filha mulher fazia as tarefas do lar e estudava.
    Hoje só tem trabalho quem tem estudo.(Mulheres)
    Quem escreveu não levou em conta alguns itens importantes do passado como e revolução feminina e no fator sócio-econômico da família de cada individuo.
    Sou de uma família de 8 irmãos onde 3 homens colocavam dinheiro em casa e as 5 mulheres estudavam e ajudavam nas tarefas do lar. Bom graças a Deus tenho 5 irmãs que terminaram a faculdade. E os 3 irmãos todos estropiados de trabalhar como pião ganhando uma merreca.

    ResponderExcluir
  12. Hoje tá ruim prá todo mundo. Sobreviver está difícil. Ainda mais em um país mal administrado como o nosso.

    ResponderExcluir
  13. O texto é mt bom, mas na prática as coisas são bem diferentes... Sou mulher, perdi meu pai com 17 anos, tive que virar o "homem" da casa. Tenho uma mãe e um irmão excepcional... Deixei de ser uma garotinha fofa e me tornei uma guerreira, sim uma guerreira!!! Pq nos dias de hoje vivemos em batalhas emocionais, onde precisamos tomar decisões em questão de segundos. Infelizmente, não tenho tempo nem motivos pra ser uma mulher delicada e tudo mais... Vesti uma armadura tão forte que ela jamais saiu....

    ResponderExcluir
  14. Leiam mais a respeito no livro "Redenção das Bruxas".
    Adorei o texto.

    ResponderExcluir
  15. http://www.itu.com.br/colunistas/artigo.asp?cod_conteudo=49912&adm=1

    Abraços!

    ResponderExcluir
  16. O texto, me parece ser de um pensamento engessado. As mulheres sempre foram provedoras da vida e a sua submissão ao longo da história é que contrapõe a sua verdadeira natureza. As questões existenciais hoje atribuída ao processo de liberdade feminina de forma simplificada traduz apenas o resultado de suas próprias ações, ao cometerem o erro de percurso quando da falta de saciedade das suas necessidades e expectativas não terem sido atendidas, foi isso que as fizeram promoverem aos seus filhos sejam eles homens ou mulheres o acesso e a satisfação dos desejos materialistas a troco de nada, deixando a construção dos valores emocionais de lado, que fez surgir essa nova geração desequilibradas. Assim como causadoras, são elas que deverão promover o retorno a construção nos seus filhos do equilíbrio emocional tão necessário a sobrevivência da humanidade, isso é possível com medidas simples de educação e inventivo as mães do futuro, quando estas forem educadas novamente para assumirem de novo a sua responsabilidade da criação da vida no mundo no qual existimos.

    ResponderExcluir
  17. Acho que a Senhora deveria estudar mais sobre a luta feminista.

    ResponderExcluir
  18. Minha querida, uma mulher ser guerreira e um homem ser guerreiro são coisas ótimas

    Quando um homem está casado com uma mulher guerreira, que luta com ele, que ele sabe que pode contar, ele se sente seguro e não castrado, ele sabe que pode contar com ela para ajudá-lo também, e a grande pressão que o homem enfrenta para ser o que é - sempre o maioral - pressão machista que faz mal primeiro a ele, se esvai e, com ela, muita depressão e sofrimento também.

    Uma mulher pode ser guerreira e , também, ser muito bem casada, um exemplo disso é minha terapeuta, que enfrentou um grave problema de saúde com muita garra e não deixou de ser uma mulher doce e feminina, muita amada pelo seu marido e sua filhinha. Ela continua brilhando em sua profissão, muito admirada, muito guerreira e, também, muito carinhosa e gentil. Parece que você considera mulheres guerreiras como brutas como vikings, mas, não é verdade, minha terapeuta é um exemplo de mulher guerreira e dócil, sem ser submissa

    O conselho que você deu ao homem de "prover e agir", concordo que serviria, também, para as mulheres, pois o homem não deve ser o único provedor de um lar, o único que age em um momento de crise. Uma mulher ficar paralisada em um grande momento de crise só prestaria a prejudicar o próprio homem que está com ela, que ficaria sobrecarregado e, talvez, ressentido

    Meus pais,por exemplo, ambos eram provedores do lar, minha mãe tanto quanto o meu pai, além de proverem os filhos igualmente, também sabiam agir com sensatez quando necessário.

    Minha mãe, por exemplo, ficou viúva cedo. Ela era guerreira, sempre foi, e continuou sendo, o que ajudou a mim e a meu irmão a sermos adultos bem sucedidos

    por isso, discordo em gênero, número e grau quando você diz que as mulheres não devem ser guerreiras, que devem esperar a força do homem. Se minha mãe assim tivesse agido, eu eu meu irmão não seríamos tão prósperos e bem sucedidos como somos hoje

    Outra coisa: as mulheres sempre foram guerreiras, não são guerreiras agora, no tempo atual, portanto, não combina com o feminino a fragilidade diante da vida, tanto isso é verdade que os maiores índices de suicídio sempre foram, de longe, os masculinos

    Se a mulher deixar de ser guerreira, quantas ainda morrerão e/ou poderiam ser destruídas e mortas?

    ResponderExcluir
  19. Gostei muito do texto e tem muito haver com nossa realidade e com a minha principalmente.
    Tive um parceiro por 12 anos e por muitas vezes me senti sozinha, estando casada, tive que aprender a conviver, a sobreviver com esse sentimento, de solidão, de ter que dar conta de tudo, casa, marido, filho, profissão.
    Me separei à dois anos e hoje encontrei um homem diferente, mas eu infelizmente estou nesse papel invertido, dona de mim e com dificuldade em entrar no meu feminino.
    Isso não tem haver com ser mulher guerreira e forte e sim um padrão que adotamos de sermos forte, muralha, insensível ao homem parceiro, ter um escudo para nos proteger da dor.
    E é muito difícil voltar ao feminino, o texto não é machista, mas uma realidade para quem necessitou assumir um papel de"homem" para sobreviver a essa selva!!!
    E hoje gostaria mesmo de saber como sair desse masculino, tem me afetado muito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que alguém assim como eu conseguiu entender o que a autora do texto quis passar!!!
      Ao invés de ficar com xingamentos e desmerecendo um texto tão bem explicado!!!
      As pessoas hoje em dia parecem que quando ouvem algo que não lhes agrada, partem logo para o ataque, com armas em punho!

      Excluir
  20. Achei o texto machista e um tanto homofóbico. Certamente, o feminino precisa ser resgatado em nossa sociedade, mas isso não é uma questão de gênero. Existem homens e mulheres yin, e existem homens e mulheres yang. E também não tem nada a ver com homossexualidade. Yin e yang é uma questão de energia; não de gênero ou opção sexual. Portanto, existem homens yin (energia feminina) hetero e homossexuais. Da mesma maneira que existem mulheres yang (energia masculina) tanto hetero quanto homossexuais. Uma sociedade somente encontra equilíbrio quando essas duas energias trabalham em harmonia, sem que uma se sobressaia sobre a outra. O que não quer dizer que as mulheres devam assumir papeis submissos – a energia feminina também é guerreira, forte e poderosa, apenas é diferente. O feminino foi historicamente subjulgado e continua sendo, porque a nossa cultura ainda percebe o feminino como uma docilidade que se estende à submissão, por isso valoriza apenas o masculino. Mas na verdade a energia feminina é a energia da criação e precisa ser consagrada para que haja harmonia. Mas isso não significa uma comunhão de homem e mulher, essa questão não está nos corpos dessa dimensão. Todos nós temos ambas as energias dentro de nós, mas cada um utiliza mais uma do que a outra. Espero que os homens yin e as mulheres yang não se sintam deslocados com esse texto – não há nada de errado com seu jeito de ser! O mundo precisa da virtude de ambas as energias, e isso não é determinado pelo seu sexo ou opção sexual. Utilize seus poderes da maneira como são! Isso sim trará equilíbrio energético e consequentemente, a saúde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Texto machista mesmo. Como se depressão, inerente a gênero, dependesse do papel masculino citado no texto tanto para justificar quanto no papel do casal. É sempre algo de estranho como muitas mulheres continuam sendo um acessório ou de uma relação ou companheiro para se afirmar como feminino. Se não fosse verdade esse texto do contrário, jamais citaria para o universo masculino o papel da mulher para que a psique dele seja afirmada. Texto muito imaturo e parcial. Desculpe a franqueza mas precisamos abrir o olhar para essa realidade.

      Excluir
  21. Perfeito seu comentario anonimo das 18:42
    Hamanndah

    ResponderExcluir
  22. Para mim, energia masculina e energia feminina não estão relacionadas ao gênero, e sim ao ser como um todo. Temos as duas energias e quanto mais harmônicas e equilibradas elas estiverem em nós, mais felizes, prósperos e seguros seremos. A característica do arquétipo masculino é a força, a autoridade, mas não se refere só ao homem, assim como a característica do arquétipo feminino que é a amorosidade não se refere só à mulher. Cada um de nós tem os dois arquétipos e quando um é mais ativo do que o outro ocorrem as fragilidades, inseguranças, doenças e infelicidade. O equilíbrio e a harmonia dos dois arquétipos é o que nos torna íntegros, felizes e sadios emocionalmente, fisicamente e espiritualmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei o texto perfeito, nada tem de machista, é muito atual pq tem haver com sentimentos que transcendem toda essa necessidade humana de catalogar experiencias. Fala do dia a dia em um relacionamento que caminha na infelicidade, cujo rumo é uma doença ou enfermidade física ou psicossomática. Quantos de nós não nos vimos em situações assim?
      É um erro atribuir essa ou aquela qualidades a um gênero. A questão é como esse gênero lida com essa ou aquela qualidade de forma diferente, pois é uma peculiaridade deste gênero.
      O valor da conquista está em como a mantemos, e náo simplesmente só em conquistar.

      Excluir
  23. Acho que falta um pouco de delicadeza e envolvimento com os movimentos sociais e a luta feminista, se não fica parecendo que o texto propõe que retrocedamos as conquistas tão importantes que estamos conseguindo. O feminismo e a luta das mulheres, por exemplo, nunca colocou a mulher tão consciente de seu corpo e em busca do contato com o Sagrado Feminino.
    Acho perigoso quando a espiritualidade não acompanha, mas vem acima das relações sociais. É incontestável a importância das mulheres "guerreiras", das mulheres fortes, das mulheres independentes. O homem é que não está seguindo muito um caminho bonito nos dias de hoje.

    Deve haver equilíbrio entre ying e yang.

    Machismo e homofobia nada tem a ver com magia, poder pessoal e alquimia. Isso é área de pensamento retrogrado, conservadorismo e preconceito.

    ResponderExcluir
  24. Eu não perdi meu poder, minha força e continuo o homem de sempre, que levanta e vai a luta. Tenho realmente muita pena da mulherada. Este jornalista tem visto coisas inacreditáveis. Pois dizem elas que na falta de homem, preferem as mulheres. na realidade lhes falta atitude diante do sexo oposto. Realmente conquistaram sem espaço. Foram fundo, mas para o outro lado. Bebem demais, vomitam demais, caem na porrada, caem na malhação, de enchem de músculos, bombadas, marombadas e, estão mais frágeis e indesejáveis do que nunca. Sorte a minha estar casado ha 35 anos, e, sempre digo a minha mulher. Se eu tivesse que me separar e cair de novo em busca de uma mulher, já nem digo a mulher ideal, estaria na mais completa roubada. Não existem mais. Perderam-se nas academias. Perderam o sentido. perderam a noção e seguem sós, reclamando da vida e, terminam só ou muito bem bancadas por um coroa muito rico. Elas queriam a liberdade. Conquistaram a tal "liberdade" sendo muito bem bancadas por aquele careca, gordo, barrigudo, político, ou sei lá, mas cheio da grana. passaram a ser meros objetos de prazer, e quando muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei sua resposta Jefferson! Sou mulher e também concordo com tudo o que vc disse assino embaixo!

      Excluir
    2. "sorte minha que sou casado". sorte sua mesmo, pq se separasse NÃO HAVERIA NINGUÉM QUE TE SUPORTASSE nessa infinita mascuzisse e babaquice. um adendo: COITADA da sua mulher. Torço que vc morra logo e ela se veja livre de um bostinha machistinha e controlador.

      Excluir
  25. uma opnião.... machista.

    ResponderExcluir
  26. No meu humilde entendimento, as polaridades masculina e feminina estão sempre presentes não apenas em homens e mulheres, mas em animais e plantas, em tudo enfim.
    A expressão destes princípios é tão diversa quanto a própria natureza. Mas isso é uma visão espiritualista, e não histórica. É preciso reconhecer que existe uma diferença entre estes pontos de vista.
    No entanto, eu percebo um tênue paralelo entre o que escreveu a autora do texto, com o que adverte a filósofa Julia Kristeva quando afirma que o feminismo tem a tendência de manter pressuposições centradas no mesmo masculino que busca questionar. Um exemplo clássico é o Margareth Tacher. Para Kristeva, esta seria uma mulher que adotou a personificação do masculino através da brutalidade e da insensibilidade, e que portanto, não ajudaria em nada à causa feminista.

    ResponderExcluir
  27. Gente, isso é muito simples e tem nome na psicologia : Gender Reversal (é só procurar no google)

    Acontece quando o homem deixa de tomar todas as decisões racionais da relação e a mulher (que até então tomava as decisoões emocionais) tem que tomar essa outra posição. No entanto, sejamos francos que, passar 5, 10, 15 anos em um relacionamento fazendo todas decisões racionais cansa muito. Tem que ter um balanciamento, um acordo entre o casal.

    ResponderExcluir
  28. Não sei, gente, tenho já meus 57 e sei que não tive boa educação, como a grande maioria de homens por aí, acredito, pois nunca arrumava minha cama, nem lavava minhas roupas, etc., etc.. Depois, ao casar, minha esposa veio morar com meus pais, visto ela ter percebido que eu nunca sairia dali, já com meus 33 anos pendurado neles. Após um ano, houve discórdias diversas e, me sentindo sanduíche, vendi todo o estúdio de gravação que meus pais me deram para me aventurar com ela pela Europa. Findaram nossos vistos e retornamos, meu filhote nasceu e em alguns anos saí somente da música para aulas em escolas, mais de 21 destas em 7 anos na Prefeitura. Hoje, que ela se foi, sei que em casa tenho que arrumar, passar e controlar tudo só, pois senão tudo fica de pernas para cima. E olha que estas pernas ficam sempre para cima ainda!!
    Palavra de um - suposto - feminista que mal se vira bem sem uma companheira do lado.

    ResponderExcluir
  29. Mas qual é o problema em não sonha com casamento e namoro?? qual é o problema em ir a festas sozina?? Não vejo problema algum em nada disso..

    ResponderExcluir
  30. "UM CONVITE AOS HOMENS: peguem seu bastão de poder de volta, reassumam seu espaço na vida" - O que? Não é possível achar que os homens perderam espaço! Acorda! Que texto machista e escroto.

    ResponderExcluir
  31. Oi Valéria Bastos !
    A impressão que seu texto me deu foi que você gosta das aparentes comodidades que o machismo proporcionou e proporciona (em alguns casos ainda) para as mulheres.
    O fato de ter hoje em dia assumirmos mais responsabilidades parece um fardo difícil de carregar, o que aparentemente nossas mães, avós e bisavós não sofreram. Mas se pararmos para pensar, elas podem ter sofrido de outras formas. Quantas vezes será, que esses discursos (as vezes até mesmo encarados como regras) do que é ser feminino ou ser masculino limitaram as escolhas de modos de vida tanto de mulheres quanto de homens em décadas passadas? Uma mulher não podia jogar futebol mesmo que quisesse muito, pois seria discriminada pela sociedade. Um homem não poderia ser cabeleireiro mesmo que quisesse muito, pois seria discriminado pela sociedade.
    "Dois inteiros convivendo lado-a-lado, sem co-dependência, sem bengalas, sem ataques, sem fuga nem medo." - como você fala de dois inteiros convivendo lado a lado, sem dependerem um do outro, sendo que você exatamente critica a independência da mulher? Quando fala, por exemplo no começo do texto, que essas responsabilidades que ganhamos, de acordo com a conquista de espaço na sociedade, são prejudiciais. Pois essas mesmas responsabilidades por nossas próprias vidas estão fazendo com que percamos nossa "feminilidade" ou "nosso papel de mulher"..
    Não estou criticando seu modo de pensar e nem falando que é certo ou errado pensar assim. Ninguém sabe realmente o que é certo ou errado. Estou apenas apontando as incoerências que surgem no seu texto.
    Abraços

    ResponderExcluir
  32. Equilíbrio ! O exagero desconstrói.
    Irónico, queixou-se do machismo pois era destrutivo para o outro género e trazia um grande desequilíbrio de liberdade em todos os sentidos. Em contradição aplicou-se o feminismo, crescendo de forma exponencial em um tempo relativamente curto à historia da humanidade.
    Não concordo em total com o texto. Ao meu ponto de vista a mulher lutou e conquistou com toda a honra o que outrora foi-lhe retirado pelo machismo, ganhou em certa altura o equilíbrio, o que foi óptimo, mas lá se foi o tempo em que este equilíbrio "desequilibrou-se" para o lado feminista. Há que respeitar a natureza, somos dotados de inteligência a fim de mudar os padrões que ela defini, mas será que sabemos de verdade lidar com as mudanças sociológicas em contradição com o biológico ?
    Termino de forma sumária dizendo que é necessário respeitar e unir-se em prol do amor. Relembro alguns mandamentos/conselhos que foram leccionados por um livro: a mulher respeita o homem como o SEU homem, dotado de força e virilidade, o homem respeita a mulher SUA mulher dotada de toda sua elegância que é definida desde o seu primeiro ancestral, forte ,linda, determinada e provado cientificamente MUITO inteligente a fim de mudar o mundo.

    ResponderExcluir
  33. Valéria eu sou um home bem feminino. Isso desde de pequeno. Viviam me perguntando se eu era menino ou menina. Cresci tenho 43 anos e continuo com várias características bem femininas. Não sou gay pois não goste do cheiro e nem da experiência tátil e definitivamente homem não mexe com meu libido. Gosto de uma mulher ardida! Guerreira e forte. Até com aquele pequeno busso sobre a boca... as peludinhas que são abençoadas por excesso de testosterona e assim gozam felizes por mais de uma vez. Tenho problemas com isso... Isso alguns. As vezes uma falta de iniciativa e uma preguiça. Mas espiritualmente sou um ótimo Druida. Inicio filhas da deusa e ajudo a compreender ses desdobrares e força de seus femininos, sou bom conselheiro, bom ouvinte e muito carinhoso. Sou feliz com minhas mulequinhas. Minha energia complementar. E sigo tranquilo neste caminho sem precisar de nada mais que saia do tradicional e do carinho. Beijos... ajude bastante esses meninos. Tudibom

    ResponderExcluir
  34. Não tem essa de agir feminino ou masculino, a diferença entre homem e mulher são seus órgãos reprodutores e hormônios, de nada tem a ver o modo de agir. Esse texto é machista, falando que a mulher deve se preocupar em encontrar um parceiro e o homem em comandar.

    Não, não, muito ridículo, parece texto de quem se influencia por uma cultura antiga com divisão de gêneros do que de quem realmente pensa profundamente e reflete por si próprio.

    ResponderExcluir
  35. Só digo uma coisa. Sensacional o texto. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  36. Texto repleto de frustrações com o momento de mudança histórica em que vivemos. Basta estudar um pouco outras sociedades e outras épocas pra ver que mais da metade das informações colocadas no texto como universais não condizem com a realidade de muitas pessoas. Só li o texto até o final pra me divertir com o engessamento das pessoas que não se adaptam às novas propostas. Colega, nossos problemas sociais atuais estão para muito além dos papeis sexuais, muito mesmo. Se informe melhor. Abraço.

    ResponderExcluir
  37. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  38. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  39. O texto é interessante e pertinente. O que as pessoas não entendem e logo acham que é machista é que poucas conhecem de fato o que são as energias masculinas e femininas. E não é só uma questão de exterioridades. Há força na mulher vinda de sua essencia feminina e há força no homem vindo de sua essencia masculina mas são diferentes. Qual mulher hoje em dia sabe usar sua força que vem de seu útero? Qual o homem que sabe de fato usar a sua força de guerreiro?
    Não, as forças foram dstorcidas quando o excesso de masculino subjugou o feminino e o feminino distorcido se rendeu aos poderes e a força bruta do masculino. É preciso equilibrio entre ambas dentro e fora do psiquismo humano. A mulher e o homem precisam lutar juntos pelos direitos de cada um e celebrar suas diferenças essenciais. O que as pessoas não entendem e desconhecem completamente é sobre suas diferenças essenciais que ao longo do tempo foi sendo distorcida. E algumas características foram desqualificadas e hoje são vistas como machistas e outras femininistas.Radicalizou-se. Por exemplo: em uma tribo indígena os homens vão à caça e as mulheres tomam conta das crianças e da alimentação da tribo. Eles têm algum conflito psicologico com isso, eles acham que as mulheres são submissas e elas acha que os homens são machistas por isso?? Não. Eles trabalham em harmonia. Cada um exerce sua função e a comunidade inteira ganha. Essas são as nossas caracteristicas ancenstrais da forma como se unem em suas tarefas. E não quero dizer com isso que em nossa sociedade ajamos igual, no sentido de homem ir trabalhar e mulher ficar em casa. Isso já passou. Mas dentro de nossa sociedade ,com nossas caracteristicas saber usar essa noção de trabalho mais em equilibrio. Não gerando assim as inumeras neuroses. Um exemplo: Mulheres não deveriam trabalhar em seus periodos menstruais. Há uma enorme necessidade dessa mulher nesse periodo de repouso, de introjeção, de simplesmente parar para sua transformação mensal. E isso não é respeitado. Os ciclos femininos foram desrespeitados e as mulheres se submetem a tudo e nem imaginam que não se respeitam e não são respeitadas nesse pequeno aspecto. Isso é a masculinização do feminino. Como homens e mulheres deveriam se manter juntos num periodo maior no pós -parto. E assim por diante. São essas pequenas coisas que os modernos acham sem sentido, ultrapassado mas é acabar com os ritmos naturais e mexem com o equilibrio das coisas. Esses foram pequenos exemplos, fora os da vida sexual de um casal e toda a força e beleza que perderam. E outras caracteristicas psiquicas como no homem habitar um guerreiro interno e externo, que possue a determinação, a força e o poder de desbravar o ambiente. A mulher com seu poder de organizar, armazenar, cultivar, aconchegar, criar, dar suporte emocional à tribo e aos guerreiros. São funções tanto psiquicas e fisicas. E isso foi distorcido ao longo do tempo, desequilibrando toda a sociedade. E isso não quer dizer que mulheres não possam fazer determinadas tarefas ditas masculinas e ele as femininas. Contanto que prevalece psiquicamente suas energias básicas suas caracteristicas esseciais. Este é o problema. A sociedade sofre e se desequilibrou porque o feminino foi alijado do mundo. Tornando assim, o masculino corrompido. Homens e mulheres perderam suas caracteristicas essenciais e nisso a sociedade perdeu o equilibrio num todo. A solução é a recuperação e o entendimento desse equilibrio sem olhar isso como machismo ou feminismo. Devemos separar o joio do trigo. O machismo e o feminismo já tiveram seu propósito, como vimos, desvirtuando as coisas. hoje são absolutamente obsoletos quando definitivamente compreendido as funções do feminino e do masculino, tanto socialmente , psiquicamente ,sexualmente. É o fim da guerrinha sem sentido e noção. E o fim do desequilibrio. Hoje é tempo de nos resgatarmos , tanto homens quanto mulheres e aprendermos sobre nossos "dons" que devemos compartilhar e oferecer ao outro para o próprio equilibrio da VIDA.
    Rosa Barros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom seu comentário... vc entendeu perfeitamente o post... Obrigada!

      Excluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. E sexualmente os papeis invertidos ou despolarizados é a tragédia das relações. A inversão, a distorção, a despolarização das energias femininas e masculinas faz de nossa sociedade como ela está. Uma coisa é lutar pelos direitos, pelo respeito, pela igualdade socialmente falando. Outra coisa e desqualificar as diferenças essenciais colocando homens e mulheres num mesmo lugar. Não. Não somos iguais psiquicamente, espiritualmente, sexualmente, biologicamente. Qual é o problema nisso, nenhum. E preciso respeitar essa diferença tb em suas bases biológicas e psicologicas. A tentativa de igualar , distorceu e desequilibrou. Os opostos são complementares e não excludentes. Os dons de um serve ao outro. ( cuidado com a palavra "servir" que pode ser distorcida) O "servir" e o doar-se. Servir ao próximo, é doar-se ao próximo. E não "servir" se subjugando. As palavras já são bem carregadas de estigmatizações e preconceitos. E preciso explicar e exemplificar tudo. Senão é pouco compreendido.

    ResponderExcluir
  42. Puxa vida, nunca li tanta bobagem machista junta em um só texto. As pessoas devem ser livres para serem o que quiserem ser, tomando as atitudes que as fazem sentir confortáveis, INDEPENDENTE de seu gênero. Essa coisa de ter que seguir um papel predeterminado tendo em vista unicamente seus órgãos genitais é terrivelmente limitadora e retrógrada.

    ResponderExcluir
  43. Muito interessante, pois estou vivendo e descobrindo exatamente isso agora. Um dia meu psicoterapeuta me disse: vc está vivendo o papel do homem em suas relações amorosas. É que desde os 13 anos, fui independente financeiramente, já nasci c/ um emprego me esperando, e e minhas duas irmãs, meu pai era dono de cartórios no interior de Minas, então eu me acostumei a não depender de namoradinhos pagar conta, eu ia a seu encontro em outras cidades, porque às vezes ganhavam menos que eu e o meu trabalho me permitia isso. Sem contar que aqui em casa a manda chuva sempre foi minha mãe. Meu pai, um homem de família tradicional da cidade, estudado, advogado e dono de cartórios junto c/ outros irmãos, era calmo, não gostava de discussões, e minha mãe sempre foi muito agitada, nunca trabalhou fora de casa, e era na verdade uma sargentona que mandava no marido e nas 3 filhas. E nós obedecíamos sem questionar nada. Meu pai morreu em 2005, minhas duas únicas irmãs se mudaram p/ os USA uma aos 20 anos de idade e outra aos 22 anos. E eu fiquei c/ um cartório, continuei independente em todos os sentidos à medida que ficava mais velha. Meu pai era mais liberal, entendia melhor as coisas mas minha mãe era caretona, então fui moldando os dois a viverem e ver como as filhas viviam, trazendo amigos e namorados p/ nossa casa, tocávamos violão, cantávamos, assim o assunto sexo, drogas e rock and roll foi se tornando leve, eu contava que já tinha experimentado drogas, que já tinha perdido a virgindade, bem tarde por sinal, e continuei sendo o "homem" de meus relacionamentos. Reservava hoteis, passava na frente do parceiro p/ tomar qualquer iniciativa, mesmo que ele fosse dividir a conta comigo, escolhia moteis sem saber se ele poderia pagar, porque se ele não pudesse, eu podia. E foi assim que resolvi me engravidar, c/ um cara bem mais novo que eu, não pretendia me casar, apenas ter um filho c/ ele porque estávamos apaixonados. Não comuniquei nada a ele, porque eu podia criar meu filho sozinha. Tive meu filho, ele sempre comigo, e quando meu filho completou um ano e meio resolvemos nos casar no civil, ele passou a trabalhar comigo, e eu sempre no comando. Nos separamos há 8 anos atrás por vários motivos e um deles foi esse, o de eu não exigir dele que fosse homem o bastante para trabalhar em outro lugar, e eu mulher o bastante p/ ser apenas mulher. Fisicamente mais frágil, mais emotiva, menos dona das situações que pintavam p/ serem resolvidas. Hoje vejo o quanto perdi em ser independente muito cedo, em ser o homem da relação. Jamais seria submissa a um homem, mas tbm não poderia ser como fui, comandar tudo, sem nenhuma reação dele, pois era cômodo p/ ele. Hoje quero ter uma relação, onde eu seja a mulher, onde eu deite no colo do meu parceiro e não ele no meu, onde ele toma determinadas iniciativas, onde eu me sinta ser de alguém e ter um alguém. Ser leve, suave, tranquila, não tomar decisões antes de consultar o companheiro. Vejo essa liberdade que a mulher conquistou como uma coisa prejudicial p/ ela e p/ os homens. Queria ter um relacionamento onde eu pudesse trabalhar se quisesse, porque o meu parceiro seria o provedor, e como não sei cozinhar além do trivial e já não ter paciência c/ trabalhos caseiros, pagar uma secretária do lar, e ter a confiança que meu parceiro está cuidando de tudo, do seguro de vida, do seguro de saúde, e das demais tarefas que antes era suas. Hoje estamos perdidos, homens e mulheres...infelizmente.

    ResponderExcluir
  44. É realmente a mulher conquistou muito espaço, eu vejo isso como uma vitória, e não como algo que a desvalorizasse apesar da sobrecarga da jornada, o homem vai fazer alguns papeis das mulheres pra entende-las melhor e parar de serem tão machistas julgando-as como o sexo frágil ..., só se entendi o outro quando se está na pele dele. Nem por isso o homem vai perder sua masculinidade e autoridade e a mulher sua feminilidade e delicadeza por conta dessas mudanças evolutivas sociais a não ser que ambos tenham uma opção sexual embutida que já é na minha opinião outro assunto a ser discutido fora deste.

    ResponderExcluir