Translate

Pesquisar este blog

domingo, 22 de dezembro de 2013

HÉRNIA DE DISCO OU BICO-DE-PAPAGAIO

HÉRNIA DE DISCO OU BICO-DE-PAPAGAIO 
Não se sente merecedor dos privilégios e culpa-se pelo prazer. 




Entre cada uma das vértebras da coluna existem estruturas chamadas discos invertebrais, que são compostos por uma substância gelatinosa. Possuem consistência fibrosa e são dispostos em camadas, como uma cebola. Preenchem os espaços entre as vértebras, sendo responsáveis por suportar e amortecer as cargas e os impactos que recaem sobre a coluna, permitindo seus movimentos. 

 Durante os movimentos, os núcleos dos discos, em formato de anéis, que circundam a medula, deslocam-se para o lado contrário do movimento das costas. A flexão do tronco para a direita desloca os anéis para a esquerda, o mesmo ocorre nos movimentos contrários; na inclinação para a frente, eles deslocam-se para trás, e assim sucessivamente. 
 A hérnia de disco é um processo degenerativo (desgaste), causado principalmente pelo envelhecimento. Também pode ser decorrente de esforços excessivos. O termo médico é osteófitos; na linguagem popular é conhecido como bico-de-papagaio. Trata-se da redução do líquido do gel que compõem os discos, diminuindo sua altura, ocasionando a aproximação das vértebras adjacentes. 

 A redução do volume do disco vertebral ocorre quando o núcleo do disco comprime o anel fibroso, deslocando o gel para o canal medular. Ao migrar para essa área, mesmo sem romper o núcleo do disco, o gel pressiona a medula e as raízes nervosas, ocasionando dores intensas e formigamentos; bem como alterações da sensibilidade, da força muscular e dos reflexos. Esses sintomas irradiam para a parte de trás da coxa e parte inferior da perna, podendo chegar até o pé. 

De acordo com a visão metafísica, as pessoas com hérnia de disco possuem conflitos em relação à prática do que faz bem e é prazeroso. Tem dificuldades para realizar prontamente o que gostam. 
 Dedicam-se pouco ao lazer, priorizam os afazeres, protelando a prática do seu hobby. 
Quando tiram um tempo para se divertirem, não raro, sentem um misto de satisfação e certo arrependimento ou culpa por ter deixado de lado as obrigações. 
 Sejam os compromissos com o trabalho ou a participação nas situações familiares, a pessoa vive em função desses afazeres. Ela não se dá o direito de ser feliz, praticando o que faz bem a si mesma. 
 Apesar de mobilizar os esforços na conquista de condições materiais ou financeiras, que permitem usufruir os privilégios, as pessoas não se sentem merecedoras de tê-los. Essa condição evidencia-se quando elas estão aguardando algum benefício extra no trabalho, por exemplo, e este não sai; a frustração reforça a crença de não merecer as regalias que obteriam com essa conquista. 

Eventos dessa natureza podem desencadear, em quem sofre de hérnia de disco, o aumento das dores nas costas. 
 O próprio empenho demasiado aos afazeres pode representar uma espécie de autopunição ou um mecanismo de fuga das frustrações. Uma vez que não consegue saciar seus desejos, a pessoa revolta-se pelos fracassos e se pune com práticas excessivas de trabalho árduo. Põe-se a cumprir as obrigações com certo sarcasmo. Parece gostar de sofrer, mas na verdade está se auto-agredindo por não ter conseguido fazer o que aprecia; o fracasso se deve à crença do não merecimento. 
 A auto-punição é a inversão da força agressiva. Em vez de a pessoa extravasar sua voracidade, por não ter conseguido saciar suas vontades, ela retém sua indignação, dando início a um processo de auto-destruição. Encara as incumbências como uma saga, a qual cumpre de maneira nada satisfatória e com pesar e resignação. Quem atua dessa forma perde a oportunidade de angariar conteúdos internos, tais como habilidade e competências, gabaritando a pessoa para executar suas tarefas. Esse estado também promove satisfações positivas, sanando momentaneamente a falta de prazer. 
 Encarar as dificuldades como uma importante fonte de bem viver possibilita a realização pessoal e a saúde emocional. A própria frustração pela falta de dedicação ao lazer é minimizada quando a pessoa trabalha com satisfação. 
 Nem sempre é possivel conciliar o trabalho com o lazer, melhor dizendo, ganhar dinheiro praticando o hobby, porém depende de nós encontrarmos uma forma de satisfação no que realizamos. Isso, além de tornar mais agradavel o desempenho, reduz o desgaste físico e emocional.


Metafísica da saúde Vol. 4

10 comentários:

  1. muito bom!!! eu ja sabia algumas coisas, pois tenho....os ensinamentos estão bem mais completos...vou tentar mudar e melhorar ou curar-me...obrigada!!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom esse texto, tudo se encaixa para mim, preciso aprender a me amar mais e deixar de ser vitima dessas dores terríveis. obrigada !!

    ResponderExcluir
  3. escreveu parecendo que me conhece, a carapuça serviu certinho rs.

    ResponderExcluir
  4. Com conhecimento de causa......Não é fácil conviver com a Dor de uma Hérnia de Disco !!!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa muito bom o que vc escreveu nw deu norte,porem como mudar este quadro

    ResponderExcluir
  6. Nossa muito bom o que vc escreveu nw deu norte,porem como mudar este quadro

    ResponderExcluir
  7. Eu descobri a relação psicologica na minha segunda crise de hérnia em 3 anos. Felizmente identifiquei oque tinha que mudar.

    ResponderExcluir
  8. Já me declarei fã desse blog. É uma visão diferente sobre as doenças como somatização na qual muita gente encontra a si mesmo. A título de correção, no título "HÉRNIA DE DISCO OU BICO DE PAPAGAIO" retiraria o "BICO DE PAPAGAIO" pois não são a mesma coisa. E pra informação sobre hérnia de disco, visite nosso site.

    ResponderExcluir
  9. Fiquei impressionada com o texto pois identifiquei-me. Entretanto fiquei perdida pois não sei ainda como me reprogramar e sair deste quadro...

    ResponderExcluir